quarta-feira, 24 de janeiro de 2007

MAR


Mar,


de águas profundas,

esconde encantos

dos navegadores,

que nele viveram

bom tempo da vida.


Mar,

sereno e tranqüilo

nos leva a pensar,

que a vida se encerra

nessa mansidão,

de infinitas águas

que a terra envolve.


Mar,

viveu tantas guerras,

que vidas levou,

que deu o sustento do seu pescador,

que deixa saudade em cada partida...


Mar,

de viagens saudosas,

que muitos fizeram,

das cenas de amor

que tantos tiveram,

e hoje recordam com felicidade.



Mar,

bravio de perigos,

que nos arrepia e assusta o ruído,

das ondas gigantes que cobrem os barcos,

de tantos segredos que não conhecemos.

Mar,
a luz do poeta que nele se inspira,
fugindo da terra, mergulha profundo,
à busca da paz que tanto procura,
e que em poesia encanta os ouvidos
daqueles que sentem eterna alegria.


Luiz Guimarães.
13/05/2006




Um comentário:

Maria Muadié disse...

Depois das andorinhas...o mar. Amei.
Beijo,
M.