sexta-feira, 24 de outubro de 2008

SE


Foto, Ravenna Pazzola

Se o milagre da calidez de novo sol

Afugentar tua imagem de minh’alma

Com ela se desfazem ilusões de amor

Chama que alimentou nossas vidas


Se a suave fragrância, o perfume

Chegar mansamente, irresistível

Acordará em ti os teus ciúmes

A ferrugem de amor impossível


Se guardares um pouco de ontem

No conta-gotas de tédio e agonia

São porções esparsas de sonhos

Soltos no desvão de tua alegoria


Sou a tua vida teimosa sem passado

Apenas lampejo de um amor perdido

Sou pequeno ponto no mapa mofado

Retalho de tua história sem sentido



Conceição Pazzola



2 comentários:

Bárbara disse...

a vida por vezes parece me um conta-gotas de tédio e agonia...
so a mera possibilidade de ter alguem que seja alma da minha alma...
um retalho sem sentido que preenche vagarosamente o coraçao da gente...

Gerlane disse...

Um belo e saudoso poema feito com retalhos de lembranças.

* Beijos, querida Ceiça!