sexta-feira, 30 de março de 2007

SOU NEGRO


Meus avós foram queimados
Pelo sol da África

Minh'alma recebeu o batismo dos tambores

Atabaques, gonguês e agogôs

Contaram-me que meus avós
Vieram de Luanda

Como mercadoria de baixo preço

Plantaram cana pro senhor do engenho novo

E fundaram o primeiro maracatu

Depois meu avô brigou como um danado
Nas terras de Zumbi

Era valente como quê

Na capoeira ou na faca

Escreveu não leu

O pau comeu

Não foi um pai João

Humilde e manso

Mesmo vovó

Não foi de brincadeira

Na guerra dos Malés
se destacou
Na minh'alma ficou

O samba, o
batuque, o bamboleio
E o desejo de libertação...


Francisco Solano Trindade



Francisco Solano Trindade era poeta, pintor, teatrólogo, ator e folclorista. Nasceu no dia 24 de julho de 1908, no bairro de São José, e sempre lutou em prol da resistência negra. Fundou em 1936 a Frente Pernambucana Negra e o Centro de Cultura Afro-Brasileira, com o objetivo de divulgar a produção cultural dos intelectuais e artistas negros.

Na literatura, Solano estreou em 1944, com "Poemas de uma Vida Simples", e publicou ainda outros dois livros: "Seis Tempos de Poesia" (1958) e "Cantares ao Meu Povo" (1961). Em 1954, em São Paulo, fundou o Teatro Popular Brasileiro (TPB), onde desenvolveu uma intensa atividade cultural voltada para o folclore e para a denúncia do racismo.


Um comentário:

Maria Muadié disse...

Boa escolha, amiga. Eu adoro Solano Trindade