sábado, 10 de fevereiro de 2007

AMOR DE OSTRA


Nunca soube como as ostras amam.



Sei que elas têm um jeito suave de estremecer

diante da vida e da morte.



Tens um jeito de acomodar teu corpo ao meu

como na concha.



Eu não sabia como as ostras amam

até que duas pérolas brotaram de teus olhos

no mar de cama.


Affonso Romano de Sant'anna












 

Um comentário:

Maria Muadié disse...

gosto muito da virilidade de Afonso Romano de Sant'Anna.
Beijão, Ceiça.
M.