sábado, 6 de fevereiro de 2010

VELHOS CARNAVAIS

Imagem google



Embora vivesse numa cidade de interior, desde muito cedo aprendi o que é Carnaval a pular atrás de bloco, a jogar água e talco em cima dos passantes desavisados, e fugir quando ninguém estava olhando, para correr até o clube da cidade onde os irmãos mais velhos, mascarados e fantasiados, divertiam-se. Pendurada à primeira janela à vista seguia-os com olhar de adoração, invejando-os, detestando ser ainda pequena, de menor idade. A glória máxima eram as matinês onde aproveitava para sacudir confete, serpentina e água nas outras meninas, e borrifar os meninos de lança perfume. Embora criança, penso que poderiam classificar-me de mala sem alça. Tanto incomodei que os irmãos passaram a levar-me no meio deles para os bailes onde só podiam entrar adultos. Suspendiam-me pelas axilas e o porteiro fingia que não percebia. Assim eles podiam divertir-se sem o aborrecimento de ter de levar-me de volta para casa. Sentada num banco, o famoso “quem me quer” ocupado por moças solteiras sem namorado, de olhares lânguidos para os rapazes enfileirados no outro extremo do salão, o que me fez entender logo cedo que os homens podem ser medrosos na abordagem mais do que as mulheres, porque enquanto eles continuavam lá, rindo amarelo e olhando de relance, sem ânimo de arriscar-se para convidar a menina mais bonita e mais oferecida, ela perdia a paciência, puxava outra menina e juntas entravam na folia. Faziam questão de passar junto ao punhado de medrosos e jogar lança perfume, de preferência nos olhos. Ah, minha linda blusa branca de cigana, nunca esqueci a nódoa vermelha atirada por uma bisnaga de um desses molengas...
Acontece que o juiz de paz em pessoa quando as filhas resolviam brincar no clube, percebia o truque, perseguia-me pelo salão e mandava que os irmãos me levassem de volta à casa. Esse juiz de paz era meu pesadelo; parecia multiplicar-se, onde eu estivesse, lá estava, com suas lentes de fundo de garrafa ele enxergava duplamente. Quanta humilhação!
Certa vez, papai foi convocado a acompanhar-nos ao clube. Cansados de interromper a brincadeira por minha causa, os irmãos bateram o pé. Naquela noite, se ele não fosse ninguém saia de casa, iam todos dormir cedo. No íntimo, eu sabia que era somente conversa fiada, quando me vissem dormir eles sairiam muito fagueiros.
Ao chegarmos ao portão do clube, investido na sua autoridade paterna, Seu Alfredo fez a bobagem de perguntar se faltava alguma coisa. Enquanto isso os irmãos aproveitaram para escapulir de fininho, deixando nós dois do lado de fora.
Olhei em torno e vi a Praça de Paulista como nunca vira antes. Quase não havia espaço entre as bancas de lança perfume, confete, serpentina, máscaras, chapéus coloridos, talco, bisnagas de água, pandeiros, reco-recos, manés gostosos... Pedi ao meu pai para comprar um lança perfume, não sobrara nenhum para mim.
Foi a deixa que ele precisava. Circulamos várias vezes aquela praça, esgueirando-nos no meio das bancas de bugigangas. Em todas, ele perguntava se vendia lança perfume e ouvia sempre a mesma resposta negativa. Quando o tempo passou, desconfiei que papai piscasse para o vendedor, será?
Não me lembro como cheguei em casa; creio que papai carregou-me no colo e cuidadosamente ajeitou-me no travesseiro. Pela primeira vez os irmãos puderam esbaldar-se sem problemas.

Conceição Pazzola
05/2/2010

Um comentário:

João de Deus Netto disse...

Maria, a secretaria de "cultura" de Campo Maior (PI)- meu berço -, cidade próxima a Teresina, radicalizou de vez no quesito boçalidade e total desprezo pelo que não conheçe: tradição e cultura. Este carnaval que você descreve com tanto carinho e intimidade, pois bem, será "animado" por três bandas de... FORRÓ!!! Este mesmo forró invencionice dos nossos vizinhos "cabeças chatas" - revide - que também fazem questão de ignorara quem foi um certo Luís Gonzaga, e que também é irmão siamês do axé lixo reciclado da Bahia. E viva o frevo pernambucano; o samba e as marchinhas dos blocos e cordões (ainda existem) do Rio de Janeiro, São Luís... Aqui em Curitiba não existe esta festa, consegue ser pior do que em Teresina ou Brasília; o pouco que eles conseguem fazer, o fazem lá embaixo da montanha; nas praias reluzentes de corpos "polacos" e suas "coxas brancas"!
Melhor assim.

João Grillo